Como obter o corpo perfeito

Como mulher, você quer se sentir confortável em sua pele antes de exibi-la a outras pessoas e isso vem com a forma correta do corpo. No entanto, isso é chamado “corpo perfeito” e assumiu várias tonalidades de significado ao longo dos anos.

Houve um tempo que celebrou as curvas de uma mulher. Uma figura voluptuosa com um busto pesado e quadris largos foi considerada atraente.

Também foi considerado um sinal de boa saúde e fertilidade.

Com a revolução sexual, o conceito de “corpo perfeito” foi invertido de cabeça para baixo. Magro e andrógino é a forma ideal do corpo. E, quando magro, quem se apaixonaria pela aparência de ampulheta?

Essa é uma das principais razões que levamos à dieta. Dietas populares e pílulas para perda de peso devem sua popularidade à mudança da noção do corpo ideal: se a indústria da moda não tivesse perpetuado os “altos e magros”, aposto que todos teriam saído do negócio, e não haveria de se criar o tal conceito do corpo perfeito.

Estilo de Vida + Alimentação – Exercício = Obesidade

Nossas vidas desprovidas de exercício também adicionam camadas e camadas de gordura internamente. O princípio básico para perder peso é gastar mais calorias do que você consome.

Se você não se exercita, não há chance de queimar a calorias extras.

Vivemos estilos de vida frenéticos com uma lista interminável de responsabilidades.

Mal encontramos tempo para relaxar e deixar o exercício sozinho. No final do dia, a única coisa que você quer fazer é cair na cama. É isso que está causando parte do problema para você.

Onde fica o tal corpo perfeito com tanto estresse?

O exercício também desempenha um papel importante no equilíbrio do seu estado mental. Ajuda a lidar com suas emoções e suprime a compulsão alimentar desencadeada por desequilíbrios emocionais.

Então agora, o que deve ser feito? É hora de restaurar o cérebro à magreza natural. Mas para isso você deve primeiro determinar a gravidade do seu vício em comida.

Se você deseja fazer o teste, a escala de dependência alimentar de Yale é uma ferramenta útil. Desenvolvido pelo Dr. Gearhardt, este foi um dos primeiros testes de dependência alimentar validados cientificamente.

Temos um resumo do teste abaixo!

As seguintes declarações podem ter respostas de: Nunca, Uma vez por mês, 2 a 4 vezes por mês, 2 a 3 vezes por semana ou 4 ou mais vezes por semana. Quanto mais freqüentemente sua resposta for, maior será seu nível de dependência.

1) Eu como alimentos mesmo que não esteja com fome.

2) Preocupo-me com comer e remover certos alimentos do meu plano alimentar.

3) Sinto-me lento ou cansado de comer demais.

4) Passo o tempo sentindo-me culpada por ter comido demais ou certos alimentos, em vez de passar tempo em atividades importantes, como tempo com a família, amigos, trabalho ou lazer.

5) Sinto agitação e ansiedade quando reduzo certos alimentos, mesmo certas bebidas do meu plano de dieta.

6) Meu comportamento em relação à comida e à alimentação me causa um sofrimento significativo.

7) Questões relacionadas à alimentação e à alimentação diminuem minha capacidade de funcionar efetivamente (rotina diária, trabalho / escola, atividades sociais ou familiares, saúde As declarações abaixo têm respostas Sim ou Não.

8) Continuei consumindo os mesmos tipos ou quantidades de comida, mesmo sabendo que não deveria.

9) Comer a mesma quantidade de comida não me faz sentir melhor do jeito que costumava. Felizmente, também possuímos a capacidade notável não apenas de reconhecer o mecanismo de dependência alimentar, mas também de ajudá-lo a se livrar dele.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!